Ano II - Nº 10, Novembro/Dezembro de 2007
Alameda Digital
Restauração revisitada, por Mário Casa-Nova Martins
A ofensiva anti-tradição

por Bernardo Calheiros

Nas últimas décadas o mundo tem assistido a mudanças vertiginosas, que se sucedem a um ritmo nunca visto e que afectam profundamente a forma como vivemos e a maneira como nos encaramos a nós próprios. Essas mudanças trouxeram-nos, em muitos casos, mais comodidade, mais segurança e mais tempo de vida. Contudo, será que nos trouxeram um aumento proporcional de felicidade? É legítimo que se tenham dúvidas.

Não vemos qualquer incompatibilidade entre tradição e modernidade. Antes pelo contrário, parece fundamental que saibamos viver em harmonia com ambas. Afinal, como em tudo aliás, o que parece essencial é haver bom senso e essa prudência de que falavam já os antigos. O que era importante é que a classe política não olhasse só para o seu umbigo e que fosse capaz de ver aquilo que as populações realmente querem. No entanto, os nossos políticos, formados na escola da partidocracia, afastados das populações que os elegeram e que deveriam servir, sentem-se acima dessas realidades mesquinhas, são gente moderna que tem preocupações mais elevadas, que o povo não compreende. Gente dinâmica que gosta de rupturas e que advoga a mudança pela mudança. Basicamente, uns modernaços avessos a coisas velhas como as tradições, os costumes e a moral, obstáculos todos eles à sua sacrossanta liberdade de acção. Assim, as Leis são óptimas para serem contornadas, os costumes são coisas do passado e a moral é algo de muito aborrecido e ultrapassado que se deve deixar para trás. A tradição, enfim, a tradição já não é o que era…

Esta gente − políticos, intelectuais e ditadores do politicamente correcto −, que se considera detentora da cultura, esquece depressa que esta, como a definiu magistralmente Konrad Lorenz, “é uma tradição cumulativa”. Não permite rupturas e o repúdio dos princípios que estiveram na base da constituição de uma determinada comunidade. No entanto, essa gente, tão culta, acha que é preciso estar sempre a fazer história e a reescrevê-la de acordo com a sua visão própria das coisas. Daí as demonizações a que assistimos e o branqueamento de tantos facínoras progressistas (veja-se, acima de todos, o caso de Che Guevara).

É precisamente a tradição, aliada com a modernidade, que faz o mundo avançar. Talvez não permita que avance à velocidade que alguns modernistas, sempre prontos a subverter as instituições, gostariam que avançasse, mas permite certamente que o mundo evolua de forma saudável, num ritmo que tenha em conta o querer das populações e a vontade das elites.

A forma como actualmente se está a procurar subverter as instituições tradicionais, nomeadamente a Família, célula basilar das nossas sociedades, ameaça destruir tudo aquilo em que acreditamos. Trata-se verdadeiramente de um regresso à barbárie, de um esquecimento de todas as conquistas da civilização. É importante que, cada vez mais, nos unamos para fazer face a esta avançada das forças “progressistas” que só poderão conduzir ao caos.

Tradición y modernismo en la Iglesia
A ofensiva anti-tradição
Acabemos de vez com este tradicionalismo
Algumas consequências da modernidade: por que razão já não há «interacção homem-máquina», nem «casais com filhos»
Não ser do mundo
Tradição e Modernidade
A Modernidade e os seus Críticos
Tradição e Tradições – Conservar ou Fundamentar?
Sobre a obra de Pitirim Sorokin

Dalai Lama em Portugal
Confusão surpreedente e homologação inaceitável……
“Foi Assim” por Zita Seabra - Comentário
O Bispo Januário deu uma entrevista

A síndroma da ofensiva de Tet na segunda guerra do Iraque
LAG 08
Lixado Pá!
União Europeia - Tratado de Lisboa
Cimeira UE/China
E depois da Globalização?

Suspense
José Antonio, Entre Ódio e Amor
Crónica da Falange de Madrid
Requiem por José Antonio Primo de rivera
Uma mensagem enxertada na história?
Quem é Cottinelli Telmo?
Publicação: Ao Gosto do Gosto

O ataque à igreja
Olivença Espezinhada
A Restauração revisitada
Sombras da História
O Massacre dos Inocentes

Editorial
Ecos da blogosfera
Capa

Nacional Internacional Cultura História Tradição e Modernidade Ficha Técnica Publicidade Contactos Apoie-nos