Ano I - Nº 4, Dezembro de 2006
Alameda Digital
Teerão
TEMA DE FUNDO
Defesa da Vida

A convocação de um referendo à legalização do aborto para o próximo dia 11 de Fevereiro volta a colocar em primeiro plano o debate sobre a Vida e o imperioso que é esclarecer em sua defesa. Mas a consulta popular de Fevereiro não é elemento único nesta teia; nos últimos dias debate-se à escala mundial a legitimidade da pena de morte e da eutanásia, em consequência da execução de Saddam Hussein e do auxílio prestado em Itália a um doente que manifestava vontade em colocar um ponto final na sua Vida. É deste lado – da defesa da Vida desde a concepção até à morte natural – que se coloca a Alameda Digital, apresentando uma edição que lhe é quase exclusivamente dedicada, com contribuições de muitos dos que mais frequentemente têm tratado estes assuntos, mesmo quando o tema não está sob a intensidade do mediatismo todo-poderoso. É o resultado desses testemunhos que aqui deixamos nesta quinta edição. LER TUDO

Apoie a Alameda Digital,  Espaço de Liberdade
Correspondentes

[Madrid]

Visto de Madrid
por JLLencastre

[Grã-Bretanha]

Crónicas de um lusitano interior na Álbion
por Rafael Castela Santos

[Buenos Aires]

A Relativização da Vida Humana
por Marcos Pinho de Escobar

João Marchante
Ecos da Blogosfera
Consulte as edições anteriores
Leia em primeira mão!
Deseja ser avisado da publicação de um novo número da Alameda Digital por e-mail? Diga-nos qual é a sua conta:

O que não se fala no referendo

É frequente numa discussão acabar por esquecer-se o ponto de partida. Assim acontece notoriamente no caso do referendo que se anuncia, em que o debate geralmente se afasta do teor exacto da pergunta que é colocada à votação, e foge das consequências das respostas possíveis. Normalmente discute-se o aborto, em abstracto, no registo "eu acho que", perdendo-se a noção de que o referendo incide sobre uma pergunta em concreto, da qual deverão em princípio decorrer consequências legislativas. (...)LER TUDO

Uma solução mais VIVA !

A minha filha Marta tem dois anos e meio. Quando tem sono e quer adormecer, põe a mão direita sobre a cara, de tal forma estendida e aberta, que a cobre da testa ao queixo, passando pelo nariz. Quando me ponho a pensar desde quando é que ela faz isto, fico sempre impressionada ao me lembrar que é desde sempre. A primeira vez que a vi nesta posição, foi na primeira ecografia, (...) LER TUDO

Reprodução Artificial - Uma lei contra o tempo

A reprodução artificial a que alguns chamam de PMA (Procriação Medicamente Assistida) é o conjunto de técnicas médicas que têm por objectivo permitir que casais inférteis possam vir a ter filhos. Essas técnicas dividem-se em extracórporeas - fecundação é feita fora do corpo da mãe, e as intracórporeas. A reprodução artificial é em geral apresentada como uma resposta boa ao problema que legitimamente traz sofrimento a muitas pessoas (infertilidade). E por isso se tem entendido que os casais devem ser ajudados pela ciência. Porém, estas técnicas levantam várias questões éticas (...) LER TUDO

A Fé no Aborto

Nos últimos tempos fez-se um consenso sobre o Aborto. “Ninguém é a favor do Aborto” dizem-nos, como se a sanção para fazer algo ao abrigo da lei não fosse um pacto real com a prática. Sacode-se a água do capote e nada mais se tem para discutir, fazendo-se passar o “slogan” por acto de humanitarismo. (...) LER TUDO

Patuleia

A Revolução da Maria da Fonte foi uma revolução em que as Mulheres tiveram um papel fundamental no decorrer da acção; os Miguelistas viram a sua crença ressuscitar, na esperança de um novo sebastianismo libertador; os Cartistas livraram-se do ditador; os Setembristas readquiriram forças para regressarem ao poder. O Povo, esse continuou desiludido com o Liberalismo, que apenas favorecia a classe nova a que ele dera origem, os “barões” da alta burguesia. Finda a Revolução da Maria da Fonte, em Maio de 1846, foi necessário a formação de três Ministérios sob a presidência do Duque de Palmela, tendo em vista um Governo de concórdia. (...) LER TUDO

A chacina de Badajoz - O mito e os factos

Um violento episódio da épica caminhada das tropas revoltadas que, de Sevilha, convergiam para a Capital, foi transformado habilmente pela Frente Popular num mito de horror que ainda hoje persiste pegajosamente. Jay Allen, jornalista americano do Chicago Tribune, provavelmente inebriado pelos vapores do tinto português de que tanto gostava, pintou a ocupação de Badajoz pelas tropas do insurgente Yagüe com tais pormenores e colorido que até parecia que havia assistido a tudo o que se passara quinze dias antes. (...) LER TUDO

Editorial

Num país enfeitado para a campanha de compras de Natal, surgem os primeiros cartazes de uma inovadora campanha “contra a humilhação” das mulheres. A imagem escolhida tem poder de choque: uma mulher é conduzida a julgamento sob escolta e esconde a cara com a camisola para que não a reconheçam nas fotografias. A vergonha e a humilhação encontram-se estampadas na atitude dela.

Poucos dias depois da colagem dos primeiros cartazes, os jornais trazem a público o caso do músico que matou a mulher. A fotografia que acompanha as notícias mostra o presumível criminoso a fazer o gesto que já conhecemos: esconde a cara com o casaco. Não podemos saber se este uxoricida sofreu a influência da campanha em curso. Provavelmente esteve demasiado absorvido nos seus problemas para prestar atenção a questões de interesse público. O que podemos verificar, no entanto, é que na hora de ser conduzido perante a justiça ele agiu como se estivesse a seguir à risca as directivas dos conselheiros de imagem da campanha do aborto [...] LER TUDO

João Paulo Malta
Gentil Martins
Luís Brito Correia
Rui Corrêa de Oliveira
João César das Neves
Pedro Afonso
Carlos Blanco de Morais
J. Luís Andrade
Pedro Guedes da Silva
Sumário

A mulher e o aborto
A Fé no Aborto
61 razões para votar Não!
A Ética na defesa da Vida
Um Acórdão Controverso
O Médico e a Eutanásia
O que não se fala no referendo
O aborto e a raiz do problema
Lá, onde a vida se joga...
Pena de morte

Reprodução Artificial - Uma lei contra o tempo
Síndrome pós Aborto
O Referendo do Aborto visto por uma mulher
Uma solução mais VIVA !
A relativização da vida humana
Aborto de A a Z

Avanti o popolo? Bandiera rossa trionferá

Utilidade e manipulação do Holocausto

Alegria de Viver

A chacina de Badajoz - O mito e os factos
Patuleia
Tomás Zumalacárregui: a defesa da Tradição

Ficha Técnica Publicidade Contactos Apoie-nos
Nacional Internacional Cultura História Na DEfesa da Vida